quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Mitologia Tolkeniana!


Amigos do Jornal Mitológico, tenho o prazer de introduzir nesse blog a mais recente das mitologias, a Mitologia Tolkeniana! Muitas pessoas não conhecem essa mitologia, pelo menos não por esse nome, ou não sabem da sua existência por completo, portanto achei mais do que justo antes de qualquer postagem uma breve explicação sobre ela.


Diferentemente das outras mitologias, a Mitologia Tolkeniana não é um conjunto de lendas e mitos criados e/ou acreditados por um povo, e como já foi referido é uma das mais recentes, já que teve seu início por volta de 1918, depois de John Ronald Reuel Tolkien voltar da Primeira Guerra Mundial por ter contraído tifo.


Seu início se deu com a criação do Quenya, um idioma criado por Tolkien para servir de base para sua mitologia. Após isso, vários contos e episódios foram se desenvolvendo, dentre os quais os mais conhecidos (porque além de livros vieram a ser produções cinematográficas) estão a trilogia “O Senhor dos Anéis e a recente trilogia de “O Hobbit”, que na versão literária constitui apenas um livro.


            

O Senhor dos Anéis, obra mais conhecida dessa mitologia, conta apenas os eventos do final da Terceira Era do Sol, um período importante porém muito pequeno de toda a ampla mitologia, que conta com mais milhares de anos.


Os Ainur, dividos em Valar e Maiar, eram os serem supremos do mundo, equivalentes talvez a deuses gregos, porém com uma diferença: eles eram apenas intrumentos de uma causa maior, onde ao contrário da Mitologia Grega, onde Zeus é o Deus supremo do Olimpo, os Ainur e todas as raças eram instrumentos de Eru, chamado pelos elfos de Ilúvatar, o todo poderoso senhor dos destinos de Arda. As histórias e contos de Arda, diferentemente das outras mitologias, não têm tanta influência direta das divindades, exceto três em especial: Melkor, Ulmo e Mandos, que interferem diversas e/ou diretamente nos acontecimentos dos homens e dos elfos.


           Tolkien, em sua mitologia, criou novos deuses, novas criaturas, até mesmo uma nova língua, como já foi citado, e transformou meras ideias em um conjunto de mitos capazes de serem comparados com a Mitologia Grega, três mil anos mais velha.


Depois dessa breve introdução sobre a criação dessa mitologia, postarei mais sobre os personagens e mitos ao longo do tempo, e espero que os leitores, os que conhecem e os que não conhecem essa mitologia venham a apreciá-la, e que achem as postagens produtivas e instrutivas.

2 comentários :

  1. Curti o site parabens pelo trabalho, irei acompanha-lo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Alphard! Não postamos nada nos últimos meses, mas prometo que postaremos com mais frequência!

      Excluir